QUALIDADES INERENTES HÁ QUEM ESTÁ  FAZENDO A OBRA DE DEUS : PRECISAMOS SER UM EXÍMIO OBREIRO.

QUALIDADES INERENTES HÁ QUEM ESTÁ  FAZENDO A OBRA DE DEUS : PRECISAMOS SER UM EXÍMIO OBREIRO.

DAVI O EXEMPLO.

 

TEXTO. -1 Samuel 16.18; 18.2-5,13,14.

 

Davi, ao longo de sua vida, desempenhou várias atividades no campo, no exército, em família e no palácio. Como homem, e na posição de líder ungido pelo Senhor, cometeu erros e acertos, no entanto, as características de seu caráter revelam que ele era prudente, moderado, precavido e cauteloso em suas atitudes.

 

 

Prudência: Qualidade de quem age com moderação, comedimento, buscando evitar tudo o que acredita ser fonte de erro.

 

Realidades a serem vividas por quem faz a Obra do mestre :

 

Mesmo antes de derrotar Golias, Davi já era um jovem talentoso e temente a Deus (1 Sm 16.18). Todavia, após sua vitória esmagadora sobre Golias e, consequentemente, sobre o exército filisteu, Davi tornou-se o centro das atenções, tanto da tropa israelita como do povo em geral. Essa notoriedade trouxe novos desafios para o filho de Jessé, porém, o mais importante foi o seu proceder com sabedoria e discernimento na administração dos conflitos advindos dessa nova situação. A admiração e o respeito do povo motivaram a inveja do rei, que passa a considerar o novo herói nacional seu rival e inimigo. O mesmo ocorre hoje na obra de Deus, gerando situações difíceis, acusações injustas, ameaças, obstáculos e prejuízos à Igreja.

 

I.        AS QUALIDADES E VIRTUDES DE DAVI :

 

1. Um homem talentoso. Como já vimos, Davi, mesmo antes de vencer o gigante Golias, já era possuidor de virtudes, habilidades e qualidades que lhe permitiriam conduzir-se prudentemente na corte real. Quando os servos de Saul solicitaram um músico para tocar para o rei em suas crises espirituais, um deles demonstrou conhecer a pessoa ideal: “Eis que tenho visto um filho de Jessé, o belemita, que sabe tocar e é valente, e animoso, e homem de guerra, e sisudo em palavras, e de gentil presença; o SENHOR é com ele” (1 Sm 16.18b).

É oportuno lembrar que nesse tempo o Espírito do Senhor já havia se retirado de Saul, e um espírito maligno o oprimia (1 Sm 16.14,15,23). Seus passos seguintes foram tenebrosos, pois consultou uma feiticeira (1 Sm 28.7) e cometeu suicídio (1 Sm 31.4,5).

2. Um homem com muitas habilidades. Algumas virtudes, habilidades e qualidades de Davi são imprescindíveis à igreja nos dias atuais:

a) Músico. Davi sabia tocar magistralmente. Era exímio músico e poeta, e isso muito contribuía para ser ele um homem espiritual, metódico, organizado e sensível às questões divinas. Basta lermos seus muitos Salmos para constatarmos essa realidade. É altamente importante para a Igreja de Deus e para a vida cristã de cada um a verdadeira música evangélica, a “música de Deus” (1 Cr 16.41,42); música inspirada pelo Senhor e bem executada (Sl 33.3); música espiritual que ensina e edifica (Cl 3.16).

b) Forte. Os livros de 1 e 2 Samuel; 1 Crônicas e Salmos registram os feitos corajosos, resolutos, decisivos e vitoriosos de Davi. Neles vemos um homem de fé, oração, justo, temente a Deus e perseverante, como no caso registrado em 1 Crônicas 14.8-17.

c) Valente. Davi, por confiar inteiramente no Senhor, era um homem destemido em seu desempenho como rei de Israel. Ele demonstrou coragem, habilidade e eficiência antes de ocupar o trono e depois, quando nele assentou-se.

d) Homem de guerra. Infelizmente as guerras com os seus incontáveis sofrimentos e consequências vêm dos primórdios da humanidade, a partir do momento em que o pecado nela entrou (Gn 3; Pv 6.14; Tg 4.1,2). Vemos Caim matando seu irmão Abel (Gn 4.8) e, a partir daí, a Bíblia registra muitas guerras, basta ler Gênesis 14.1-17, bem como grande parte do Antigo Testamento.

e) Sisudo em palavras. O renomado comentarista bíblico John Gill declarou que Davi era um homem “prudente em seus assuntos; nas suas falas e conversas; na conduta e comportamento; e que sabia se conduzir, até mesmo na corte real”.

f) Boa aparência. A boa, cuidada e equilibrada aparência e compostura de uma pessoa influencia a visão das demais a respeito dela. Aliás, a aparência é algo tão marcante que, se não fosse Deus, Samuel ungiria a pessoa errada (1 Sm 16.6,7). Quando Saul ascendeu ao trono, sua aparência, inclusive seus traços físicos, foram logo percebidos e mencionados pelo povo (1 Sm 9.2; 10.23). Convém dizer que o que agradou ao Senhor ao escolher Davi foi o seu interior (1 Sm 16.7), e não a sua imagem externa. Vemos aqui um princípio a que a igreja deve estar atenta ao avaliar alguém como homem de Deus, ou não, somente pelo que vê ou ouve. O que não nos impede de cuidar bem da aparência .

g) O Senhor era com ele. Davi era piedoso, um homem temente a Deus. A piedade aparece na vida do filho de Jessé como uma virtude que deve ser imitada (1 Tm 4.8; 6.11). O Eterno era tudo para Davi (Sl 18.2), e isso fez toda a diferença em sua vida. Sua inteira e voluntária submissão ao Senhor fez dele o maior monarca da história bíblica.

 

Davi possuía muitas virtudes e qualidades, tais como: exímio músico, corajoso, valente, prudente, de boa aparência, destemido, piedoso e temente a Deus.

 

 

II. O TALENTO DE DAVI NA CORTE :

 

1. Davi como escudeiro do rei. Antes de chegar a ser o escudeiro do rei Saul, o jovem Davi era um simples camponês, trabalhando como pastor das ovelhas de seu pai (1 Sm 17.15), e tinha a habilidade de tocar instrumentos de cordas (1 Sm 16.18). Na corte, Davi era praticamente um desconhecido (1 Sm 17.55,56).

O homem segundo o coração de Deus obteve êxito desde o princípio e em todo lugar, porque foi alguém que sempre cultivou em seu espírito a humildade de aprender e de começar de baixo. Quem quer chegar aonde Davi chegou, deve saber se portar, agir com humildade e estar sempre pronto a aprender.

 

Nota :  Antes de ser rei, Davi primeiro precisou aprender a ser escudeiro. Aí está diferença. Quando Saul entra na caverna , está nas mãos de Davi , ele poderia mata lo. Mas quem é escudeiro não é covarde. Não faz maldades a seu irmão e jamais o mata à traição !

 

2. Como comandante das tropas. Até o seu desafio a Golias, Davi era um aprendiz na casa real (1 Sm 16.21). Todavia, essa situação mudou drasticamente graças à sua estupenda vitória sobre Golias, o filisteu de Gate. De um simples músico e escudeiro-aprendiz, Davi foi promovido a comandante de tropas (1 Sm 18.5).

 

III. O CARISMA DE DAVI NO PALÁCIO REAL

 

O obreiro e o carisma.

 

Carisma

nome masculino

1.       Capacidade de influenciar os outros

2.       Capacidade de inspirar entusiasmo e adesão

 

 

1. Nos relacionamentos. Inicialmente Davi foi muito estimado pelo próprio rei (1 Sm 16.22), mas isso foi apenas no começo, depois tudo mudou (1 Sm 18.7-16). Entretanto, na corte, ele ampliou seus relacionamentos, demonstrando empatia com as três principais classes de pessoas no reino:

a) O filho do rei. Sem dúvida, essa estima contagiante para com Davi, que logo fez com que o filho do rei se tornasse o seu melhor amigo, foi muito importante e necessária em sua vida, como se vê em 1 Samuel 23.16,17. Não devemos esquecer que Jônatas era um potencial herdeiro do trono de Saul, e com certeza Saul pensava assim (1 Sm 20.31). Todavia, Jônatas não enxergava Davi como um rival, mas como o seu melhor amigo.

b) Todo o povo. Davi era benquisto pelo povo (1 Sm 18.5). Uma característica de quem obtém ascensão social de forma meteórica é esquecer suas origens e raízes. Porém, Davi não agiu assim. Mesmo convivendo no palácio, ele não perdeu seus referenciais do campo. Ele soube construir novos relacionamentos, mas também manter aqueles já existentes.

c) Servos de Saul. Ainda dentro da corte de Saul, Davi construiu relacionamentos com os funcionários do rei (1 Sm 18.5), e manteve boas amizades até mesmo com os servos de Saul.

 

Como bons obreiros (as) precisamos saber e aprender a lhe dar com todas as classes de pessoas.

 

2. Para administrar conflitos. Davi se portou com sabedoria na corte quando demonstrou habilidade para administrar conflitos: “E as mulheres, tangendo, respondiam umas às outras e diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares“ (1 Sm 18.7). A Escritura registra ainda que “daquele dia em diante, Saul não via a Davi com bons olhos” (1 Sm 18.9 - ARA). Isto é, o primeiro rei de Israel passou a ter inveja de Davi. O espírito maligno que nele atuava tornou isso pior do que se imagina. Que espírito atua em nosso meio ?

A Bíblia mostra que Davi fez o possível para que o seu relacionamento com Saul fosse mantido amistosamente, no entanto, a condição espiritual e emocional do rei não permitiu isso. Mesmo quando sofreu tentativas de assassinato por parte do rei, Davi não revidou, mas preferiu fugir (1 Sm 18.11; 19.1). Quando teve oportunidade para matar o rei, mais uma vez ele procurou reatar as relações rompidas e não “tocou” no ungido do Senhor (1 Sm 26.9-25).

 

Nos dias de hoje : Não é o que se vê em algumas circunstâncias: o que tem de gentes ascendendo fogos nos sites de relacionamentos .... Meu Deus! E muitas vezes obreiros comentando assuntos de ministérios, de igrejas, assuntos sigilosos.

 

Mediante o seu carisma e habilidade, Davi conseguiu construir bons relacionamentos e administrar conflitos.

 

CONCLUSÃO

 

A passagem do homem segundo o coração de Deus pela corte real, antes de sua ascensão ao trono de Israel, foi algo marcante em sua vida. Todos temos algo a aprender com o até então futuro monarca de Israel. O modo como ele se conduziu e construiu uma forte rede de relacionamentos talvez seja uma de suas maiores proezas. A Escritura registra que isso se deu graças à sua forma prudente de se conduzir no meio de príncipes, do exército e do povo em geral. Como obreiros ( as) na Obra do Mestre Jesus precisamos saber nos conduzir diante do rebanho que Ele tem nos confiado.

Crie pontes para um relacionamento duradouro, profícuo que estabelecerá em seu ministério raízes profundas firmando as convicções de seu chamado , gerando frutos dignos e como resultados será um canal de bênçãos a muitos. Não construa em seu relacionamento muros ao ponto de chegar a ficar ilhado e ser um obreiro (a) medíocre sem frutos e ainda correndo o risco de chegar diante do Mestre de mãos vazias. Que o Senhor nos guarde. Caros irmãos (as) desta Escola Bíblica lembremos do aconselhamento do apóstolo Paulo: "Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade ". (2 Tm 2.15)

 

Deus te abençoe.

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

WOOD, G. O. Um salmo em seu coração. RJ: CPAD, 2006.

PURKISER, W. T. Comentário Bíblico Beacon. Vol. 2: Josué a Ester. RJ: CPAD, 2005.

Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. RJ: CPAD, 2004.

Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

Algumas pequenas Anotações do autor

Comentários (1)

  1. Cláudio Rodrigues Moura

    Lindo ensinamento,quem é escudeiro não é covarde,não faz maldades a seu irmão,e jamais o mata a traição,Deus nos guarde em seu amor em cristo Jesus.

    • Jefferson Oliveira

Deixe aqui seu comentário